Museus e Arte

Improvisação 7, Vasily Kandinsky, 1910

Improvisação 7, Vasily Kandinsky, 1910

Improvisação 7 - Vasily Kandinsky. 97x131

Recusando-se da pintura figurativa, Vasily Kandinsky procurava novas formas para sua nova arte. Essas formas inovadoras eram composições e improvisações que, sem um programa de enredo pronunciado, carregavam a idéia em cores e formas, ou seja, eram uma narrativa em si mesmas.

A improvisação nº 7, que apareceu em 1910, é escrita por uma técnica complexa de escrita de várias camadas, inerente a todos os trabalhos do autor desse período, levando em consideração todas as leis das combinações de cores que o próprio Kandinsky derivou. Há muito verde, preto e vermelho-laranja.

A interpretação das flores, de acordo com os trabalhos teóricos do artista, é a seguinte:

  • verde - indiferença, não despertando sentimentos, calma;
  • preto - o ponto final, o final, que é semelhante à extinção do Sol ou do fim do mundo;
  • branco - silêncio e silêncio;
  • vermelho é poder.

Qual é o significado da combinação de todas essas cores? Kandinsky propôs responder a essa pergunta a todos de forma independente, uma vez que a arte, em geral, é absolutamente subjetiva e íntima, por assim dizer. O autor enfatizou repetidamente que as cores devem atrair apenas a atenção do espectador, dando-lhe a oportunidade de se auto-criar.


Assista o vídeo: Princípios da Improvisação na Música Popular Brasileira (Outubro 2021).